URJC Vicálvaro - Salón de Actos / Biblioteca 27 Sep 2018 Grupo de Trabajo | Sesión Especial
Multisesión (Track 9) | Multisesión (Track 10) | Multisesión (Track 11) 09:00 - 15:00

GRUPO DE TRABAJO/PANEL: Este grupo da continuidad al trabajo iniciado en anteriores ediciones. En muchos países del mundo, incluidas Latinoamérica y Europa, se han realizado estudios que tenían como objetivo comprender los efectos de la estructura de gobernanza en la calidad de la democracia. Entre estos, hallamos los que analizan los efectos convergentes y divergentes de la división de poderes en el nivel local y la importancia de cada uno de los tres poderes en la construcción de una estructura de gobernanza justa, transparente, eficiente y sostenible. Varios trabajos se han realizado, pues, tomando como referencia los diversos conceptos de gobernanza; destacando aquellos que tratan experiencias de proyectos de infraestructuras y servicios, los cuales muestran carencias de conocimiento por parte de los actores territoriales y una frágil participación social. También son de interés para el grupo las experiencias de control social y de interacción entre actores de la sociedad, Estado y mercado que busquen la mejora del gasto público y la ampliación de la calidad de vida de los ciudadanos. Dichas experiencias, sin embargo, han generado un gran interés por parte de los investigadores de la comunidad académica, en particular, en lo relativo a los desafíos en la construcción de un modelo de gobernanza alineado con los propósitos de la democracia, en un paradigma caracterizado por el intento de equilibrio entre la eficiencia y la equidad en las acciones del sector público buscando el desarrollo humano y colectivo y no solo el crecimiento económico e individual. Entre las principales barreras identificadas se encuentra la baja implicación de los ciudadanos y la centralización del poder en manos del gobierno, con pocos espacios para el efectivo protagonismo social. De este modo, se confirma que, a pesar de las buenas intenciones de la política de gobernanza, la misma es frágil debido a aspectos de diseño institucional que limitan el proceso participativo, generando efectos nocivos o externalidades negativas en la implantación de algunas acciones públicas. Por tanto, este grupo temático promueve la presentación de trabajos dedicados a la investigación de barreras y condicionantes institucionales, políticos y gerenciales para el compromiso ciudadano, desde la perspectiva de la administración y gestión pública comparada, tomando como referencia estudios de caso de experiencias de uno y otro lado del Atlántico. Siendo bienvenidos trabajos fundamentados en teorías de la Administración Pública, de la Economía, de la Ciencia Política y del desarrollo territorial dirigidos a la comprensión del papel del ciudadano en el diseño y rediseño de las estructuras de gobernanza y en el estímulo del compromiso social. Se pretende contribuir con ello al avance de conocimiento en el área, partiendo de la comprensión del contexto de los espacios locales de actuación de los ciudadanos.

El distanciamiento entre el paradigma teórico de la democracia y la realidad social. El modelo de participación ciudadana en salud en Puertollano
00:01 - 23:59
En el año 2008 se implantó un nuevo modelo de participación ciudadana en salud en el área sanitaria de Puertollano (Ciudad Real, España); proyecto innovador, prestigioso y legitimado, cuya meta era el construir una sociedad más democrática y con los objetivos de: consolidar la democracia, limitar el poder de la Administración y comprometer a los ciudadanos para hacerlos más responsables y más partícipes. Este modelo funcionó durante los años 2008 a 2011, en el que los ciudadanos ocuparon un lugar preferente en la toma de decisiones. En el año 2011 un gobierno conservador surgido de las elecciones regionales lo fue desmantelando poco a poco hasta hacerlo desaparecer por completo, pasando así a una democracia de baja intensidad. Ante los pocos estudios empíricos existentes en el que se analicen experiencias concretas y permitan seguir avanzando en el paradigma teórico de la democracia deliberativa, es por lo que desde el ámbito académico decidimos realizar una evaluación post del modelo, con el fin de identificar las debilidades y amenazas del modelo participativo de Puertollano, que pudieron posibilitar el debilitamiento del modelo y su posterior desaparición. Para ello hemos llevado a cabo un análisis cualitativo, mediante entrevistas personales a los actores más implicados en el proceso de construcción, desarrollo e implantación del modelo participativo, seleccionando a los más relevantes, accesibles y comunicativos; ya que pensamos que los actores que se involucran en este tipo de experiencias asumen un papel fundamental tanto en la formulación e implementación como en la evaluación de las políticas públicas. Entre las conclusiones más destacadas resalta, fundamentalmente, la conflictividad de aplicar el modelo teórico de la democracia deliberativa a realidades sociales concretas.
A Participação na Formulação do Orçamento Participativo: Um estudo comparativo das Experiências de Fortaleza (Brasil) e Madrid (España)
09:00 - 09:15
A primeira experiência exitosa de Orçamento Participativo (OP), no Brasil, aconteceu em 1989, em Porto Alegre/RS, no governo de Olívio Dutra, do Partido dos Trabalhadores (PT) com o “jeito petista de governar”. Dados recentes apontam mais de três mil experiências de OP no mundo, estando presente em todos Continentes e sendo operacionalizados de formas distintas, considerando especificidades políticas, econômicas, sociais de cada Município. No Brasil, são mais de 250 casos e na Espanha ultrapassou 70 experiências. O município de Fortaleza/CE, localizado no Nordeste do Brasil, implementou na gestão de Luizianne Lins, do PT, em 2005, essa ferramenta de gestão com intuito de aproximar Estado e Sociedade Civil mas, também, como propositura de inversão de prioridades. O OP foi inserido no primeiro Plano Plurianual Participativo (PPA), instituído através da Lei 9.044/2005, na revisão da Lei Orgânica do Município (LOM), passou a figurar junto aos demais instrumentos de participação (iniciativa popular, plebiscito, referendo), como Princípios Fundamentais. Fortaleza foi dividida em Áreas de Participação e Segmentos Sociais (mulher, idoso, criança e adolescente, juventude, população negra, pessoas com deficiência, GLBT), para deliberar sobre o que era prioridade. Em Madrid, similarmente, esse mecanismo de deliberação popular, foi posto em prática a partir da vitória de Manuela Carmena, do Ahora Madrid, em 2015, numa coalizão dos partidos de esquerda: Podemos e PSOE, tendo como um dos seus objetivos, diminuir a apatia política dos madrileños. Nesta experiência, o Ayuntamiento de Madrid dividiu a participação em duas áreas: a primeira, como participação coletiva por território e associações e, a segunda, individual sobre governo aberto, transparência e especialmente da participação popular. Em 2016, foi aprovado através do Art. 27 a participação cidadã e as diretrizes do OP. Diferentemente de Fortaleza, Madrid realizou o OP com Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e presencialmente, sendo destinado 60 milhões de euros para 2016. Neste sentido, este trabalho tem como objetivos (i) Analisar os processos de formulação do OP nas gestões de Fortaleza e Madrid; (ii) Compreender como ocorreu a participação social nas respectivas experiências; (iii) Identificar similitudes e alteridades no OP de Fortaleza e Madrid. Esta investigação se justifica pela possibilidade de conhecer como uma política pública genuinamente brasileira pode influenciar governos europeus para sua adoção e, se essa política foi capaz de fortalecer a participação da sociedade civil e, o próprio governo, dando relevância e poder decisório à população. Foi realizada uma investigação qualitativa/quantitativa, com objetivo explicativo, cujos procedimentos técnicos ocorreram a partir de dados bibliográficos e documentais centrados nos temas OP, poder local, participação social. Realizou-se, levantamento documental nos sites oficiais das Prefeituras que retratam a formulação da política. Adicionalmente, foram realizadas entrevistas com atores institucionais e cidadãos envolvidos no processo. Os resultados encontrados identificam o OP como uma política que pode contribuir com a democracia participativa e aproximar Sociedade Civil e Estado. Apesar disto, os dados sinalizam escassez de conhecimento das duas gestões para implementar a política; dicotomia entre planejado e implementado; debilidade de informação para os cidadãos participarem a contento; vontade política maior que possibilidade orçamentária.
A permeabilidade dos Tribunais de Contas brasileiros à participação cidadã e ao controle social.
09:15 - 09:30
Aumentar a inserção dos cidadãos na esfera pública, para que eles possam participar das decisões do Estado e controlar as ações dos representantes públicos tem sido uma reivindicação da sociedade contemporânea. Para atingir este objetivo, seria necessário reduzir tanto as assimetrias de informação entre Estado e sociedade quanto a distância entre representantes e representados. Tendo em mente esse contexto, destaca-se a relevância dos Tribunais de Contas, por serem instituições autônomas e independentes, que podem se tornar importantes instrumentos para o aprimoramento do controle que a sociedade deve ou deveria exercer sobre seus representantes. Entretanto, estariam esses Tribunais preparados para tal protagonismos, vez que precisariam ser permeáveis à sociedade e, ao mesmo, tempo proporcionar mecanismos para auxiliar ou facilitar o exercício do controle social sobre a administração pública. Com base nessa premissa, este trabalho tem por objetivo analisar a permeabilidade dos Tribunais de Contas brasileiros à sociedade, bem como se esses tribunais atuam de forma a facilitar o exercício do controle social sobre a administração pública. A técnica de escalonamento multidimensional foi utilizada para a construção de mapas perceptuais em três dimensões, estimados a partir de informações coletadas dos 34 Tribunais de Contas existentes no Brasil. As evidências sugerem que os TCs ainda são pouco permeáveis à sociedade e possuem poucos mecanismos para auxiliar ou facilitar o controle cidadão. Constatou-se, ainda, limitação de meios para participação social, reduzindo-se, basicamente, à Ouvidoria, ao Portal da Transparência e ao Serviço de Atendimento ao Cidadão. Identificou-se, porém, a forte influência da LRF e da LAI sobre os TCs. Isso pode significar mudanças futuras, mesmo incrementais, na direção da atuação dos TCs como fortes aliados ao aprimoramento da accountability vertical.
Ação pública no processo de construção do plano diretor em Cidade da Amazônia Paraense
09:30 - 09:45
O artigo busca examinar o espaço de ação entre a gestão municipal e a sociedade civil, criado para discutir e elaborar o plano diretor municipal. De acordo com a Constituição Federal de 1988, o plano diretor constitui-se um instrumento básico da política urbana. O estudo enfoca o Grupo de Trabalho, instituído para sua elaboração,enquanto espaço sócio-político de discussão e formulação do plano no município de Baião, no Estado do Pará.O município apresenta um território caracterizado por áreas quilombolas, assentamentos e de reservas extrativistas. O estudo busca examinar como os diversos atores sociais foram envolvidos no processo de discussão para a elaboração do plano. Procura-se compreender a partir das características de espaços deliberativos se o mesmo configura-se como um espaço de ação pública, possibilitando a democracia deliberativa.Optou-se por analisar tal Grupo de Trabalho a partir da teoria da ação pública (SPINK, 2012). As discussões sobre ação pública começaram a ser travadas, a partir dos anos de 1990, na América Latina, e designa o movimento duplo do Estado para a sociedade civil e da sociedade civil para o Estado, sempre com ênfase nas instituições públicas no âmbito local. Para Spink (2012), a ação pública é a fusão da política pública com a ação social, revelando-se como atividades de cidadãos quando demonstram sua preocupação ativa com a vida coletiva em referência ao bem comum (SPINK, 2012).Para o exame do espaço criado, elaborou-se um quadro de características processuais de espaço deliberativo como critérios para a avaliação de processos decisórios participativos deliberativos na elaboração de políticas públicas. Buscou-se relacioná-lo com os critérios de avaliação da participação cidadã elaborado a partir de Tenório et al (2008); Gutmann, Thompson (2004); Anduiza, Maya (2005); Jorba et al (2009); Parés (2009), critérios desenvolvidos pelo Instituto de Governo e Políticas Públicas da Universidade Autônoma de Barcelona (IGOP). Trata-se de um estudo de caso de abordagem qualitativa, com dados obtidos através da observação participante e entrevistas com representantes da gestão municipal e moradores que participaram das audiências públicas. Defende-se que a interação entre a gestão municipal e a sociedade civil surge como um desafio no modelo de política participativa sociocêntrica coma convergência para uma relação top-dwn-botton-up, no processo de discussão e elaboração de um importante instrumento delineador das políticas públicas a nível local.
Ação Pública Territorializada: a construção de espaços de articulação e diálogo
09:45 - 10:00
Resumo: O objetivo geral desta pesquisa é investigar políticas públicas e projetos relacionados ao Desenvolvimento Territorial no Brasil, analisando as articulações entre Estado, setor privado e sociedade civil na direção de novas lógicas de desenvolvimento e participação democrática. Discute-se a reconfiguração do espaço público, e a capacidade destes processos em criar arranjos institucionais que resultem em ação pública e gestão compartilhada entre atores diversos. A metodologia, de vertente qualitativa incluiu revisão da literatura, análise documental e entrevistas semiestruturadas, como continuidade de estudos que vem sendo desenvolvidos após o doutorado e em grupos de pesquisa. Um dos resultados de pesquisa aponta para a análise de como dialogam ações coletivas institucionalizadas, como as originadas de arranjos institucionais e políticas públicas, e as ações coletivas emergentes, originadas de arenas públicas em construção pelos diversos atores. Estas possíveis oposições podem revelar espaços de inovação e aprendizagem social e remetem à necessidade de se compreender os conflitos de forma a contribuir para avanços na participação política.
Accountability, transparência e avaliação: Um estudo dos Orçamentos Públicos dos Estados da Amazônia Brasileira
10:00 - 10:15
O artigo analisa a accountability da execução orçamentária e financeira dos gastos públicos e a transparência das informações com o propósito de avaliar o desempenho da gestão das finanças públicas. O foco empírico está nos dados orçamentários e financeiros de 2014, 2015 e 2016 dos 09 Estados que compõem a Amazônia Brasileira para os quais aplicou-se o Public Expenditure and Financial Accountability Assessments (Pefa) para tratamento dos dados coletados nos portais de transparência e no Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Ao analisar as informações e avaliar o desempenho orçamentário nota-se que 05 Estados disponibilizam informações de gastos públicos condizentes com a necessidade do Pefa. Os estados do Acre e Mato Grosso obtiveram melhores desempenhos tanto no trato da transparência e accountability quanto na avaliação de gestão das finanças públicas. O Amazonas obteve resultados ínfimos nos pontos analisados. Revelando, assim, um fenômeno proveniente da relação Accountability e transparência versus desempenho de finanças públicas. Entretanto é irrefutável que o orçamento por ser ferramenta técnica e complexa de gestão, ocasiona dificuldade à avaliação cidadã.
As redes sociais como ferramentas de participação cidadã: os impactos do facebook do Governo do Distrito Federal na gestão de programas sociais do governo
10:15 - 10:30
Este artículo analiza la efectividad de la participación social digital en la formulación e implementación de las políticas públicas y en la resolución de los problemas señalados en la página del Facebook del Gobierno del Distrito Federal, específicamente en relación a las demandas de la población sobre el pago de beneficio social del programa DF Sin Miseria. Para eso, se analizó la página del Facebook entre enero/2017 a julio/2017, 379 posts y pesquisa bibliográfica. Los resultados encontrados indican que hay una gran efectividad en la comunicación entre ciudadanos y Gobierno, pero no hay la misma efectividad en la resolución de los problemas. Se concluye que el espacio virtual es un buen espacio de diálogo pero no como un espacio de resolución de políticas. El artículo trae los puntos positivos y avances conquistados y abre un importante debate respecto a los desafíos que deben ser enfrentados por la administración pública sobre la participación social digital.
Contextos de Participação Social Online no Brasil
10:30 - 10:45
O embate atual entre democracia popular e democracia liberal, que perdura desde o período da Guerra Fria, tem dado espaço para discussões sobre democracia local e ênfase das “tradições” de participação em países em desenvolvimento, como o Brasil, a Índia e a África do Sul (SANTOS, 1998c; SANTOS; AVRITZER, 2005). A reinvenção da democracia participativa nesses países do hemisfério sul se deve, em grande parte, aos recentes processos de democratização pelos quais passaram, como é o caso do Brasil, que durante o século XX alternou regimes autoritários com períodos democráticos. O modelo da democracia participativa se assemelha ao da democracia deliberativa, com o qual por vezes se confunde. Há uma série de discussões sobre semelhanças e distinções entre os dois conceitos, especialmente ao analisar se a deliberação deve ser um meio ou um fim nos processos de participação, ou seja, em que parte do processo de participação a estrutura deliberativa deve ser útil. Este trabalho considera que a democracia deliberativa assume papel diferenciado em cada contexto de participação, já que há formas distintas com as quais os sistemas democráticos se estruturam. De modo geral, a democracia deliberativa é orientada aos processos que formam os juízos. Entretanto estes nem sempre são resultantes de consenso, mas permitem legitimar decisões por votos e compreensão dos interesses da maioria nos grupos sociais (ETCHEVERRY, 2008). A formação da sociedade civil e a participação cidadã se apresentam como forma de superar crises de governabilidade e, especialmente, como meio de fortalecer o regime democrático. Essa participação é construída tanto em organizações e sistemas políticos, como no interior da sociedade. Assim, pode-se compreender que a participação se coloca como uma forma de fortalecer a própria sociedade civil, ao conceder-lhe validade e viabilidade como instrumento que a aproxima das decisões públicas (ETCHEVERRY, 2008). Contudo, há distinção entre os contextos de participação pública nos quais se objetiva alcançar aumento de eficiência e efetividade governamental e aqueles nos quais se busca aumentar o potencial democrático e emancipatório. Face à expansão da democracia participativa em vários países e da ampliação da demanda social por maior acesso às decisões de interesse público, que pode ocorrer por meio de ambientes e ferramentas virtuais, este estudo objetiva identificar, apresentar e discutir contextos de participação social online no Brasil. Para o alcance desse objetivo busca-se identificar e elencar websites de participação, a exemplo do "Vote na Web", que se apresentam como potenciais instrumentos de democracia participativa. Para tanto, a metodologia do estudo se baseia na análise de documentos virtuais disponíveis nos portais eletrônicos encontrados. A discussão baseia-se em conceitos relacionados à Democracia Digital, bem como os relacionados à participação social online, que apontam para possibilidades de ação política direta e/ou indireta dos cidadãos em processos decisórios.
Dimensões Cognitivas das Políticas Públicas no Brasil Contemporâneo
10:45 - 11:00
Desde fins dos anos 1980 o debate no campo da policy analysis tem valorizado o entendimento de que as políticas públicas em sociedades contemporâneas passam pela análise da relação entre ideias, atores e instituições que atravessam o ciclo de vida das políticas. A orientação pós-positivista foi um avanço ao incorporar as dimensões argumentativas, discursivas e fatores sociopolíticos contextuais à análise. Permite identificar conflitos, ambivalências e controvérsias que perpassam todo o processo de produção de políticas públicas. As categorias analíticas da análise cognitiva se prestam de forma bastante profícua a explicar os fenômenos políticos e sociais que configuram as políticas públicas, ao destacar a importância das ideias. Se políticas públicas produzem processos que configuram camadas subjetivas da sociabilidade, ideias, por sua vez, produzem mapas para a ação, definem problemas, afetam interações estratégicas entre atores e reduzem o âmbito das opções políticas. Se consubstanciam em imagens construídas socialmente, sentimento público ou clima nacional em torno de uma política; visões de mundo e crenças fundamentadas em princípios; históricas causais; narrativas e discursos; estruturas normativas e paradigmas. No mundo contemporâneo em que a crescente interdependência da constelação social é um traço característico, alguns atores institucionais se destacam como produtores de narrativas e histórias causais que refletem interesses objetivos associados a determinadas coalizões. A grande mídia tem operado em vários países, mas sobretudo no Brasil, como órgãos oligopolizados produtores de narrativas que disputam hegemonia em vários campos de interesse público. As primeiras análises da mídia no campo das políticas públicas localizaram a sua influência de forma concentrada no momento da formação da agenda. Mais recentemente a literatura de políticas públicas entende que a influência da mídia perpassa todo o processo de produção de políticas públicas. A mídia provoca convergência de preferências, mobiliza a atenção pública e configura o sentimento público em torno de temas relevantes em todos as etapas do ciclo de vida das políticas. Desta forma, o presente trabalho objetiva explorar a influência da mídia, representada pela imprensa escrita, na configuração das políticas públicas no Brasil por meio da análise de sua capacidade produtora de narrativas e histórias causais. O estudo de caso proposto é a análise do tratamento dos órgãos midiáticos impressos no Brasil do Programa Bolsa Família, mais especificamente os símbolos e os significados atribuídos ao programa que estruturaram as narrativas midiáticas nos períodos pré-eleitorais nos primeiros 11 anos de funcionamento do programa (desde a sua origem no final de 2003 até 2014, especificamente 6 meses anteriores às 4 eleições presidenciais). O Programa Bolsa Família já foi e tem sido objeto de um número significativo de pesquisas com inúmeros focos, como nos arranjos institucionais e controles burocráticos, na difusão doméstica e internacional e nos resultados e impactos dos programas em indicadores de pobreza e extrema pobreza. Contudo, não há registros de estudos que tenham mapeado os significados atribuídos ao programa a partir da narrativa midiática.
El proceso de la construcción del Sistema Estatal Anticorrupción de Michoacán
11:15 - 11:30
El fenómeno de la corrupción gubernamental en América Latina, México y el estado de Michoacán no es un fenómeno nuevo, para algunos especialistas la corrupción es la privatización de la política pública como producto de la debilidad institucional por parte de las elites gobernantes. Tanto en América Latina como en México este fenómeno tiene profundas raíces históricas, sociales, políticas y culturales y es consecuencia de tres siglos de coloniaje, las luchas por parte de las fracciones criollas que lograron la independencia de los pueblos latinoamericanos, solo en México, la lucha por independencia con relación a la corona española fue una expresión popular. Las demás independencias de los países de América Latina fue hecha por los caudillos criollos sin límites de poder y la ausencia de mecanismos institucionales, donde el criterio discrecional fue la norma y no la excepción. En este sentido, los recientes escándalos de corrupción en los países como Guatemala, Argentina, Brasil y México sean logrado hacer visibles gracias a la movilización ciudadana o de la sociedad civil, a consecuencia del empobrecimiento de la población, mientras los gobernantes hacen negocios que les reportan grandes beneficios personales para toda la elite gobernante de parte de las empresas o los organismos empresariales, así como el tráfico de influencias y el lavado de dinero, la colusión con el crimen organizado, donde el poder gubernamental esta capturado por los poderes facticos. De igual manera, la corrupción es propia de los gobiernos de izquierda y de derecha donde los gobernantes han acumulado grandes fortunas personales bajo la sombra del poder público. En México la corrupción no solo es un escándalo nacional, sino también forma parte de la indignación ciudadana y las organizaciones de la sociedad civil no gubernamentales, el periodismo y los periodistas independientes mediante investigaciones o reportajes de fondo han puesto a la luz pública los escándalos de corrupción que van desde la figura presidencial con el caso de “La Casa Blanca”, el caso de la empresa Obredecht quien obsequio casas a cambio de contratos millonarios, dinero para la campaña del PRI, por parte del gobierno del presidente de México Enrique Peña Nieto; así, como la “Estafa Maestra” donde se criaron empresas fantasmas en complicidad con algunas universidades públicas del país para desviar cuantiosos recursos financieros a favor de las campañas del partido en el gobierno, el Partido Revolucionario Institucional (PRI). En este sentido, los otros poderes del Estado mexicano no escapan de la opacidad de como administran los recursos públicos y en especial los poderes legislativos tanto federal como local, a través de algunos legisladores han recibido dinero a cambio de presupuestar recursos públicos o a probar determinado marco jurídico en beneficio de sectores empresariales. Con estos antecedentes, las organizaciones de la sociedad civil, los periodistas independientes y la opinión pública obligó al Congreso de la Unión a legislar sobre el combate a la corrupción que le cuesta al país entre el 10 al 12 por ciento del PIB. Lo que dio origen al Sistema Nacional Anticorrupción. Este mecanismo institucional a probado mediante reforma constitucional es replicado en las entidades federativas. Por lo tanto en este trabajo se desarrolla el mecanismo -en construcción- de la arquitectura institucional del Sistema Estatal Anticorrupción del Estado de Michoacán de Ocampo, México, y la participación ciudadana en el mismo proceso. Es necesario decir, que la corrupción en los gobiernos locales de México son un escándalo, más de treinta ex gobernadores actualmente son investigados y procesados por el poder judicial. El proceso de la construcción del Sistema Estatal Anticorrupción del Estado de Michoacán aun no ha concluido y el mismo manifiesta muchas debilidades y fortalezas, es precisamente lo que se pretende exponer en este trabajo, donde como ya se señalo los gobiernos locales viven hoy en la opacidad y en la corrupción. La tarea no será fácil, pero el combate a la corrupción gubernamental está en función directa de la movilización y presión de las organizaciones de la sociedad civil, los medios de comunicación y el periodismo independiente.
Fatores de Influência para Participação Eletrônica: uma visão baseada na Teoria da Estruturação
11:30 - 11:45
A participação eletrônica, desde a concepção de Rose et al. (2007) define um papel central do governo no fomento dos processos participativos. Apesar de crescentes avanços tecnológicos na interação governo e cidadão, o que tem sido registrado em muitas pesquisas é o frequente fracasso de iniciativas do tipo, especialmente em países desenvolvidos e com amplo acesso à internet. Ainda que diferentes métodos e tecnologias tenham sido aplicados, muitos países em desenvolvimento também apresentam estágios precários nas práticas relativas à temática. O desenvolvimento da ideia de Dualidade da Estrutura implica na Teoria da Estruturação, a qual se funda na noção de que existe um “caráter fundamentalmente recursivo da vida social e expressa a dependência mútua entre estrutura e agência” (GIDDENS, 2009, p. 43). Assim, este trabalho visa discutir os dois conceitos chave desta teoria: agência e estrutura, relacionando-os com as teorias de uso das tecnologias nas organizações,almejando a melhor compreensão dos fatores influenciadores da participação eletrônica por cidadãos. Defende-se teoricamente neste trabalho que o fenômeno da participação eletrônica deve ser analisado tanto pelos aspectos do processo de abertura governamental, quanto da adoção tecnológica de governos e cidadãos. A área de abertura governamental perfaz movimentos de reforma da estrutura burocrática para a criação de ambientes (quase sempre) de transparência e accountability e por último, mas não menos importante, de metodologias que estimulem o compartilhamento de poder com os cidadãos em intensidades e modos que variam conforme o caso. Entretanto, a abertura governamental depende (pelo menos parcialmente) da capacidade do governo em conseguir adotar e usar tecnologias de informação que sejam acessíveis aos cidadãos. É nesse quesito, que a teoria da tecnologia-em-prática (ORLIKOWSKI, 2009) pode dar seu contributo, pois o uso particular de uma tecnologia repetida ao longo do tempo se consolida em um conjunto de regras e recursos. Dessa forma, quando pensada em conjunto com a problemática da participação eletrônica, a tecnologia-em-prática não se constituirá apenas nas regras de uso adotadas pela organização governamental, mas nas formas de uso levantadas pelo cidadão médio. Ao conceituar de forma diferente aspectos relevantes que se situam no cerne da questão, tais como: agência, significado, estrutura e regras, a Teoria da Estruturação consegue visualizar as práticas sociais imbuídas de capacidade de negociação e interação, concebendo uma conduta humana detentora de relativo poder, não aceitando os extremos de determinismo ou liberdade absoluta. Outrossim, ao conceituar uma agência que está coagida e/ou facilitada pelas interações no espaço/tempo, a Teoria da Estruturação consegue auxiliar a compreensão do processo de virtualização da participação eletrônica, que engendra mecanismos de sobreposição espaço-temporal que podem fluidificar (tornar líquido) processos burocráticos já consolidados, mas também pode coagir atores que não possuem os recursos necessários para interação online, tornando os mecanismos de participação eletrônica facilitadores de assimetrias de poder que podem ter consequências perigosas nas democracias.
Ferramentas de Controle Social a partir da Execução de Recursos Públicos no Brasil
11:45 - 12:00
O papel que os cidadãos devem exercer para cobrar a responsabilidade do Estado em relação às contas públicas é um tema que muitas vezes não está presente ou não é parte do debate público. Sem dúvida, é um aspecto importante para alcançar um Estado eficiente e alinhado às necessidades dos cidadãos. No Brasil, são inúmeras as iniciativas por parte do governo (em suas várias instâncias) para publicação de dados. Apesar destas iniciativas de transparência em relação ao gasto público, a publicação dos dados por si só não é suficiente para instrumentalizar o controle social. Isso ocorre já que os dados publicados podem não ser acessíveis aos cidadãos, em razão do formato que são apresentados, da necessidade de conhecimento prévio para interpretá-los ou mesmo da quantidade de dados disponíveis, o que dificulta sua análise. A partir destas reflexões, esta pesquisa buscou ferramentas que pudessem viabilizar o controle social. Deste modo, foi feito um estudo exploratório sobre iniciativas listadas no portal dados.gov.br. Foram analisadas as iniciativas que tratavam da execução de recursos públicos, 22,22% do total de iniciativas disponíveis neste portal. A análise destas ferramentas indicam que as iniciativas no sentido de desenvolver ferramentas de controle social que possam ser utilizadas por qualquer cidadão ainda são incipientes, embora já existam projetos interessantes.
Governança colaborativa e participação social no contexto brasileiro: um olhar crítico
12:00 - 12:15
O histórico movimento de lutas da sociedade brasileira pelos seus direitos desempenhou um papel fundamental para que houvesse uma reformulação das representações políticas e a construção de uma sociedade mais democrática, preceitos transcritos pela Constituição Federal de 1988 e que instituiu importantes canais de participação social no país. Nesse contexto, de restabelecimento da democracia formal e da possibilidade de ação conjunta entre Estado e sociedade, a participação entendida e realizada como confronto deu lugar à participação entendida como disputa e negociação (GOMES, 2003) . No entanto, ainda permanece uma dúvida: estas iniciativas foram idealizadas pelos governos com o intuito de incluir a participação cidadã como meio para melhoria das decisões políticas, ou apenas se configuram como resultante da pressão da sociedade em se colocar como parte integrante do processo, numa perspectiva de cumprir o que determina a legislação? Partindo do conceito de que a governança colaborativa é um método de tomada de decisão coletiva em que órgãos públicos e atores não-estatais se envolvem em um processo deliberativo consensual para inventar e implementar políticas públicas e procedimentos para o gerenciamento de recursos públicos (DOBERSTEIN, 2016) pretende-se discutir de que forma os gestores públicos brasileiros tem considerado a participação social como instrumento de gestão.
Impactos do Neoliberalismo ao Estado de Bem-Estar e à Democracia: uma análise conceitual e empírica
12:15 - 12:30
Neoliberalismo é um sistema ideológico, sócio/político e econômico que influencia as mais diversas arenas da vida em sociedade: da subjetividade individual à organização econômica dos países e consequentemente o sistema político (Dardot e Laval). Especificamente quanto ao Estado de Bem-Estar Social, suas premissas voltam-se ao combate à “sociedade fundada nos direitos igualitários”, uma vez que “individualismo”, “meritocracia” e “competição” são suas variáveis-chave. Portanto, o Estado Social representaria o oposto do “individualismo possessivo” (Macpherson) e, logo, o inimigo a ser combatido. Em relação à democracia, há inquestionável contrariedade dos teóricos neoliberais – que preferimos denominar como “ultraliberais”, dada sua radicalidade, tendo sido chamados de “liberismo” – à “regra da maioria”, uma vez que possibilitadora justamente de “direitos sociais independentemente do mérito”, bordão alardeado por Von Mises, Hayek e Frieman, entre outros. Logo, a democracia como conceito político é submetida ao mercado, retirando dela sua independência conceitual das estruturas mercantis. Igualmente, a democracia como dimensão “social” (direitos e desmercadorização em meio às estruturas capitalistas, à luz de Sping Anderson) é, como aludido, tomada como inimiga a ser combatida. Portanto, a democracia política e social – dupla face da democracia moderna – é deslegitimada por intelectuais, mídia, think tanks, centros universitários, isto é, pelo discurso hegemônico, influenciando decisivamente a disputa pelo “senso comum” (Gramsci). Em particular os temas da “participação social” e do “controle social” são repudiados como formas degeneradas, encarnadas em “populismos”, “irresponsabilidades fiscais”, “bolivarianismos” (em linguagem contemporânea) e todas as formas opostas à primazia do mercado sobre o Estado e sobre a sociedade. De acordo com Naomi Klein, tratar-se-ia da versão extremada do capitalismo contemporâneo e intitulada como “doutrina do choque”. Dadas essas considerações, o texto objetiva analisar conceitualmente os fundamentos do neoliberalismo com vistas a examinar a situação política, econômica, social e internacional brasileira após o golpe de Estado parlamentar, ocorrido em 2016, que vem submetendo a sociedade brasileira ao complexo e progressivamente profundo Estado de Exceção. Para tanto, serão utilizados documentos produzidos pelo principal partido político organizador do golpe de Estado, o Partido do “Movimento Democrático Brasileiro” (cujo adjetivo “democrático” é meramente retórico), assim como projetos e programas que vêm alterando substantivamente a vida política, econômica e social brasileira. Tais transformações contam com o apoio, ativo e/ou leniente, sobretudo do Poder Judiciário – que por sua vez vem atuando funcionalmente como “partido político” do capital –, da grande mídia (outra forma funcional de “partido político”) e das elites econômicas: nacionais e internacionais. Dessa forma, intenta-se analisar a realidade brasileira pós-golpe por meio de categorias analíticas conceituais provindas da lógica neoliberal, uma vez que hegemônica – contraditória e assimetricamente – em perspectiva internacional. Por fim, será dada ênfase à questão da participação na Administração Pública e na dinâmica das políticas públicas.
La tensión entre la participación en políticas públicas mediantes espacios institucionales y la acción de los movimientos sociales
12:30 - 12:45
La modernización en la actividad pesquera chilena, realizada mediante sucesivas ofensivas modernizadoras desde arriba, en palabras de Wagner (1997), fue acompañada por un esfuerzo de clasificación de los grupos dedicados a dicha actividad por parte del Estado, cuyo punto de inflexión es la promulgación de la Ley General de Pesca y Acuicultura (1991). Sin embargo, en paralelo se ha experimentado una ofensiva modernizadora desde abajo, la que surgió mediante un “movimiento social” propulsor de la organización social de los pescadores artesanales. Es el caso de la creación, en 1986, del Consejo Nacional de Pescadores Artesanales de Chile, el que después se transforma en una Confederación (CONAPACH). No obstante, en su trayectoria este “movimiento social” experimentó sucesivas fragmentaciones, por lo que se hace necesario discutir la posibilidad de desplazamiento de dicho movimiento a la noción de “nuevo movimiento social” (Touraine, 2000; 2004; Polletta & Jasper, 2001; MacCarthy & Zald, 2002; Tilly, 2004; Berrío, 2006). A partir de lo anterior, la ponencia tiene el objetivo de analizar el “movimiento social” de pescadores artesanales de Chile, y su relación con las “políticas pesqueras”, desde un enfoque sincrónico-diacrónico y reflexivo. El trabajo considera una dimensión temporal, que incluye la modernización neoliberal, impuesta desde 1975, por la dictadura militar, y continuado por los gobiernos democráticos, como también los procesos de democractización y “reconversión industrial”. De esta manera, se cuenta con una investigación cualitativa, en base a una etnografía de caso extendido, con énfasis en el regreso al campo etnográfico (Burawoy, 2003), esto quiere decir que para dar cuenta del objetivo nos concentraremos en un caso particular, “Caleta Portales”, comunidad de pescadores artesanales ubicada en la región de Valparaíso, Chile, pero dicho caso se extiende, tanto temporal como espacialmente. La relación sincrónica-diacrónica se trabaja a través de dos momentos en el mismo caso, mediante entrevistas semiestructuradas con los pescadores artesanales y los dirigentes de la “caleta” estudiada, como también con entrevistas a los/las dirigentes de las confederaciones nacionales de pescadores artesanales. Los momentos de estudio corresponden a dos trabajos de campo, uno realizado entre mayo y diciembre de 2008 y otro que se lleva a cabo desde agosto de 2016 y que tiene fecha de término en diciembre de 2018. Asimismo, se cuenta con una revisión de documentos públicos, por medio de la Revista “La Caleta”, publicación realizada entre 1988 y 1991 por la CONAPACH y que nos permite contar con información de los primeros años del “movimiento”. Ésta última documentación nos permite extender el estudio de caso hacia la situación general de la actividad pesquera chilena y del “movimiento” en particular. Palabras claves: movimiento social, modernización neoliberal, políticas pesqueras, pescadores artesanales.
Modelo Relacional Integral para la Gobernanza: Gaztesaregileak Bizkaia
12:45 - 13:00
El Modelo Relacional GAZTEDI de la Diputación Foral de Bizkaia persigue modernizar la Administración Pública según los nuevos y exigentes criterios de eficiencia y coherencia en la gestión pública, transparencia, rendición de cuentas y participación ciudadana con el colectivo joven. Por ello es necesario un cambio de paradigma, aplicar un nuevo modelo de Gobernanza Pública, horizontal y colaborativo, que responda a las demandas de una sociedad cada vez más exigente con lo público, y que permita recuperar su confianza en los gestores públicos. El MODELO RELACIONAL será la columna vertebral del trabajo del Observatorio de Bizkaia para los próximos años, orientado a consolidar al Territorio de Bizkaia como región europea innovadora, también, en materia de Gobernanza Pública y juventud. El objetivo final de este cambio de modelo es incorporar a los agentes externos, en este caso a la juventud, al diseño y ejecución de las políticas públicas, un modelo que garantice una eficaz colaboración, y una mayor participación ciudadana en la toma de decisiones. Se trata, en definitiva, de – Un modelo relacional orientado a consolidar a Bizkaia como región europea innovadora también en materia de Gobernanza Pública y juventud. – Una planificación de trabajo que nos lleve a la construcción de una administración pública innovadora, abierta y participada. – Que ofrezca a la juventud de Bizkaia servicios de calidad, eficientes, eficaces y seguros. – Una construcción en colaboración con nuestro entorno y con la participación activa de la juventud. – Que cuente con las personas como protagonistas del cambio. – Un cambio que pivote en torno a los nuevos valores de Gobernanza: orientación a resultados, transparencia e innovación, e igualdad de mujeres y hombres.
Movimentos Sociais de Mulheres no Tocantins sob a perspectiva da Gestão Social
13:00 - 13:15
Os movimentos sociais de mulheres têm ganhado visibilidade e protagonismo devido à sua importância para a geração de renda e empoderamento feminino. Estes movimentos muitas vezes começam na forma de redes de colaboração e vizinhança e se formalizam posteriormente como associações, cooperativas, ONGs e OSCIPs. Ao longo deste processo de formalização, faz-se necessário vislumbrar se as formas de organização destes grupos de mulheres reproduzem os ideais da administração estratégica tradicional ou trazem consigo, mesmo que de maneira não-intencional, as práticas, princípios e objetivos vinculados à gestão social. Segundo Cançado, Tenório e Pereira (2011), estes seriam: a tomada de decisão coletiva, a dialogicidade, a transparência e a emancipação. Existe literatura expressiva documentando as diferenças entre os estilos masculinos e femininos de gestão. Buttner (2001), Chao e Tian (2013) e De Mascia (2015), por exemplo, relatam que as mulheres gestoras tinham mais habilidades relacionais que o resto da amostra, maior capacidade de trabalhar em equipe e maior foco em estratégias integrativas na resolução de conflitos. Outras características do estilo feminino de gestão seriam a informalidade/acessibilidade (CUBA; DECENZO; ANISH, 1983) e o incentivo à participação (BOWEN; HISRICH, 1986; NEIDER, 1987; BRUSH, 1992). Resta verificar nos movimentos sociais de mulheres se há predominância de estilos femininos de gestão e se esses estilos possuem traços de semelhança com os princípios teleológicos da gestão social. O objetivo deste trabalho é Verificar dentro de um movimento social feminino de Palmas-TO se há em suas práticas de gestão características da gestão social. O levantamento da entidade a ser pesquisada será feito por meio de cadastros de associações, cooperativas, ONGs (Organizações Não Governamentais) e OSCIPs (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) existentes em portais de órgãos oficiais na internet como Ministério da Justiça (2018) e Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB (2018). A metodologia é qualitativa, baseada em estudo de caso. Serão realizadas entrevistas semi-estruturadas que serão analisadas via análise de conteúdo na perspectiva da gestão social. Palavras-chave: Movimentos Sociais de Mulheres; Gestão Social; Tocantins.
Mudança e descontinuidade? O Orçamento Participativo na agenda política de Porto Alegre (RS), Brasil
13:15 - 13:30
This article aims to analyze how the Participatory Budget is positioned in the government plans of the candidates for the municipal executive of Porto Alegre in the election of 2016. For that, we carry out a research of qualitative approach with descriptive purpose. The main strategy for collecting and analyzing information was the documental research. The theoretical basis was based on the constitutive bibliography of the public policy cycle, with special attention to the agenda setting theory, as well as the literature on social participation derived from the theory of democracy. In our categorization the topic was classified as "relevant" in six government plans, "intermediate" in two and "indifferent" in only one of the documents analyzed. These data allow us to infer that, at least in terms of electoral proposals, social participation with OP is still predominantly relevant, although we criticize the form of its expression in the plans.
Novos e Velhos Dilemas da participação na Gestão da Saúde na Amazônia Brasileira
13:45 - 14:00
Um dos primeiros setores a passar pelo processo e princípio de descentralização no Brasil foi o da saúde. A constituição de 1988 já estabelecia que as ações e os serviços públicos de saúde deveriam formar parte de uma organização regionalizada e hierarquizada dentro de um sistema único. Com isso, em 1990 foi criado o Sistema Único de Saúde (SUS) que descentralizou poder, ações, recursos e responsabilidades entre a União, estados e municípios para atuarem de forma conjunta e complementar na área da saúde. O processo de descentralização a partir dessa época trouxe a incorporação de novos atores ao contexto da gestão da saúde aproximando atores advindos da sociedade e do Estado. A lei 8.142/90 instituiu conselhos e conferências como instâncias colegiadas nos diferentes níveis de gestão do SUS, explicitando o caráter permanente e deliberativo dos conselhos. O papel atribuído às conferências foi de avaliar a situação da saúde e propor diretrizes para a formulação da política de saúde nos três níveis de governo. Em Belém, o processo de organização da saúde pelo município e seus órgãos colegiados iniciou em 1993 e desde então se passou a ter a composição dos conselhos e a instituição das conferências municipais de saúde. Passados aproximadamente 25 anos da composição dos espaços de relação Sociedade Civil-Estado, e deliberação para ações no município, vê-se importante compreender quais são os resultados efetivos desse processo, em princípio, de coprodução das diretrizes desse serviço público. Trata-se de buscar entender como se dá o processo de scaling-up e scaling-down das demandas municipais e as proposições de respostas as mesmas. Entende-se como importante entender como estão articuladas as diretrizes e decisões municipais na relação com as outras esferas de governo a partir do entendimento da organização do sistema que em princípio funciona cooperativamente, todavia de forma hierarquizada. Desta forma, para este artigo as questões centrais que emergem são: como está estruturado o sistema de participação da saúde em Belém e sua relação com o conjunto dos sistemas participativos estadual e federal? Quais as relações entre as deliberações do conselho e as conferências municipais de saúde? Em que medida as diretrizes estabelecidas em nível municipal têm sido incorporadas na política de saúde estadual e federal? Para alcançar o objetivo da pesquisa e levando em consideração seu cunho qualitativo, realizamos um estudo exploratório no âmbito do Conselho Municipal de Saúde, recorremos à análise documental de leis, decretos e normas, bem como verificamos o conteúdo das atas que são preparadas com base nas deliberações efetuadas após as reuniões do conselho e principalmente das resoluções que são importantes por se tratarem do documento que é enviado à Secretaria de Administração do Município de Belém. A técnica de coleta de dados utilizada foi a entrevista semiestruturada com membros titulares do conselho. Em termos teóricos, o artigo se alicerça nas teorias de participação, governança e coprodução, teorias intrinsecamente relacionadas com o campo da gestão social.
Participação Social, Governança Pública e Corrupção Sistêmica: um estudo de caso sobre os desafios do controle social no contexto brasileiro
14:00 - 14:15
O artigo analisa uma iniciativa da sociedade civil para o aprimoramento do controle social em município de pequeno porte no Brasil, com objetivo de problematizar os impactos de entidades de controle social na capacidade de sociedades locais para influir na produção do bem comum. O referencial teórico utiliza a Teoria da Prática de Pierre Bourdieu e a Teoria da Ação Coletiva de Alexis de Tocqueville. A primeira traz os fundamentos da reflexividade estrutura-agência para o entendimento das práticas sociais e da noção do bem comum. De Tocqueville, tem-se a centralidade da força coletiva na possibilidade de democracias contemporâneas superarem o estágio de corrupção sistêmica e alcançarem lógicas públicas efetivamente voltadas ao bem comum. Por meio de dados primários e secundários, com abordagem quali-quanti, será constituída a linha de base da capacidade atual da sociedade local para participar dos espaços deliberativos previstos por força de lei e para exercer o controle dos espaços públicos. Como resultado, busca-se contribuir para compreensão do desafio de organizações sociais na ampliação da força coletiva local para demandar melhorias da governança pública e para constranger o sistema de poder a superar a corrupção sistêmica no Brasil.
Participación social y gobernanza ante la discriminación y el estigma en salud mental
14:15 - 14:30
Después 20 años de desarrollo de la política nacional de salud mental en Colombia y la construcción de diferentes propuestas para su modificación, se han identificado espacios de construcción social y de gobernanza que han contribuido de manera concreta contextualizada al desarrollo de políticas regionales, a la articulación de políticas públicas de diversa índole con la política de salud mental y al desarrollo de una ley 1616 de salud mental de 2013 que ha impulsado gradualmente este proceso de desarrollo del campo de la salud mental. Es así como el desarrollo de organizaciones sociales, de movimientos de salud mental y de propuestas regionales de articulación aventajan en mucho los avances estatales, los cuales se han caracterizado por múltiples propuestas que han demandado recursos gubernamentales con efectos discontinuos y esfuerzos de alcance limitado. Este contexto regional y participativo proveniente de la sociedad organizada se constituye en una oportunidad centro-periferia para nuevas propuestas de articulación de política pública y para enfrentar la discriminación y rechazo hacia las personas con problemas de salud mental y trastornos mentales, lo cual corresponde a una pérdida de capital simbólico y hallazgo en la Encuesta nacional de salud mental de 2015. Así también, abre una discusión en enfoque de derechos, pendiente en el país A este esfuerzo social y comunitario se agrega el avance de los consejos nacionales, departamentales y distritales de salud mental en el país, fruto de la Ley 1616 de 2013 y los esfuerzos regionales que en salud mental adelantan diferentes regiones en el país.En esta ponencia se describen diferentes experiencias significativas que dan cuenta de estos aportes.
Planificación democrática de las ciudades brasileñas: Análisis de la revisión del Plan Director de Araraquara-SP (2014)
14:30 - 14:45
Este trabajo, oriundo de investigación de maestría, tiene como objetivo analizar la efectividad del Plan Director Participativo como un instrumento capaz de democratizar las discusiones y decisiones de la planificación urbana de las ciudades brasileñas y sirviendo, también, como un elemento de enfrentamiento del modelo de urbanización adoptado en los países capitalistas en el mundo globalizado. Para ello, esta investigación tuvo como foco el análisis de la revisión del Plan Director de la ciudad de Araraquara - SP, del año 2014. La ciudad fue elegida para la realización de esta investigación por haber sido una de las primeras en adoptar de forma organizada la planificación urbana en el país, basado en el perfil histórico de centralización de la planificación gubernamental brasileña y viene sofisticando su forma de organización de la ciudad, intentando adecuarse a los debates más actuales sobre el tema. Para la elaboración del resultado, la investigación se caracteriza metodológicamente como cualitativa, por medio de estudio de caso, y utiliza el análisis documental y entrevistas semiestructuradas como principales técnicas investigativas. En este sentido, se busca elaborar una lectura crítica, a partir del caso araraquarense, que posibilite debatir la hipótesis-deductiva que orienta la investigación, en que el proceso de revisión del Plan Director del municipio de Araraquara, conducido por el Ejecutivo y, extraordinariamente, por el Legislativo no logró hacerse efectivo como instrumento que democratizó las discusiones y decisiones acerca del desarrollo de la ciudad.
Políticas públicas para los niños indígenas en Brasil y Colombia
14:45 - 15:00
El derecho del indio va más allá del derecho a la tierra que ocupa tradicionalmente en la medida en que las políticas públicas se amplía a las infraestructuras comunitarias, la salud, la educación (comunitaria y escolar), la transferencia de renta, la asistencia social y la seguridad social. De forma más específica, la gestión del territorio indígena, basada en la política indigenista, implica diversos aspectos como ausencia de registro civil de nacimiento, la prevención de la violencia contra los niños indígenas, la accesibilidad a la consulta médica (vigilancia alimenticia e nutricional; vacunación, por ejemplo), la reducción de la mortalidad infantil y de la malnutrición. En este sentido, el presente estudio tiene como objetivo comparar las políticas públicas brasileña y colombiana para niños indígenas. Se trata de una investigación teórico-empírica, cuyo trabajo de campo tiene lugar en comunidades indígenas localizadas en la frontera de los países citados anteriormente. A partir del análisis de las políticas públicas se podrá no solo conocer las diferencias y semejanzas existentes entre los dos países sino también analizar si esas políticas aprobadas a nivel estatal son adecuadas para el contexto donde deben desarrollarse o si es necesaria una mayor participación de los grupos indígenas en su elaboración y gestión, con el fin de ajustarlas a sus demandas sociales y a las especificidades locales. Esta comunicación se inserta en el debate sobre defesa de los derechos sociales y el ejercicio de la ciudadanía del niño indígena.
Presentations submitted by speakers
Download Presentation Submitted by Carmen Pineda Nebot
Download Presentation Submitted by Carlos Iván Molina-Bulla
Download Presentation Submitted by Marco Teixeira
Download Presentation Submitted by Wellington Tavares
Download Presentation Submitted by Jose Maria Gerardo Carmona Rocha
Download Presentation Submitted by Helton DePaula
Download Presentation Submitted by Jones Barros
Download Presentation Submitted by Mário Vasconcellos Sobrinho
Download Presentation Submitted by Francisco Fonseca
Download Presentation Submitted by Zilma Borges De Souza
Download Presentation Submitted by Danel Alberdi
Download Presentation Submitted by Rafael Laredo Mendonca
Download Presentation Submitted by Diones Gomes Da Rocha
Download Presentation Submitted by Cristiane Kerches Da Silva Leite
Download Presentation Submitted by Josevana Lucena Rodrigues

Conferencistas
Universidad de Sevilla
Profesora de Sociología
Universidad de Castilla La Mancha UCLM
Profesor de Sociología
Fundação Getulio Vargas FGV
Professor
Fundação Getulio Vargas FGV
Auditor Federal de Controle Extermo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES
Professor
Universidade Federal do Amazonas - UFAM
Professor
FUCAPE Business School
Professor, Auditor e Mestrando
Pontifícia Universidade Católica de Minas PUCMINAS
Professor Adjunto IV
Universidad Externado de Colombia
Docente investigador
GEGOP/CLACSO
Investigadora
Universidad Complutense de Madrid UCM
Doctorando
Universidade de São Paulo
Docente
Universidade Federal do Cearà UFC
Mestranda
Coach and Play - Diputación Foral de Bizkaia
Arquitecto de Logros
Universidade Federal de Lavras - UFLA
Professor Adjunto
Fundação Getulio Vargas FGV e Pontifícia Universidade Católica de SP
Professor
Universidade Federal do Cearà UFC
Professor
Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP
Professor
Universidade Federal Rural da Amazônia UFRA
Docente
UNAMA - UNIVERSIDADE DA AMAZONIA
Auditora e Pesquisadora
UNAMA - UNIVERSIDADE DA AMAZONIA
DOUTORANDO
Universidad Michoacana de San Nicolás de Hidalgo
técnico académico titular B
UNAMA - UNIVERSIDADE DA AMAZONIA
Estudante de Doutorado
Universidade da Amazônia/Universidade Federal do Pará
Professor
Instituto de Geociências/Unicamp
Doutorando
UNAMA - UNIVERSIDADE DA AMAZONIA
Professor, Auditor, Pesquisador, Doutorando
Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP
Professor
Fundação Getulio Vargas FGV
Pesquisadora
Moderadores
GEGOP/CLACSO
Investigadora
Universidade Federal de Viçosa UFV
Professor Associado
Universidade da Amazônia/Universidade Federal do Pará
Professor
Universidade Federal Rural da Amazônia UFRA
Docente

Discussions


Dr. César Nicandro Cruz-Rubio Hola Emmanuel hemos visto tu mensaje Por favor, remite cuanto antes tu ponencia, sin duda se trata de un error de carga, pues a nosotros no nos ha quedado registrado que hayas enviado tu ponencia, Actualizaré la web, pero ya no podemos cambiar el programa impreso Le pongo en copia al coordinador GT para que lo tome en cuenta. De verdad lo lamentamos Gracias y un abrazo
20 Sep 2017 09:17:44
Emmanuel Gómez Farías Mata Buen día, soy conferencista en este GT y no aparece mi status como tal y tampoco mi ponencia que ya fue enviada. Saludos
19 Sep 2017 11:08:22