URJC Vicálvaro - Salón de Actos / Biblioteca 27 Sep 2018 Grupo de Trabajo | Sesión Especial
Multisesión (Track 9) | Multisesión (Track 10) | Multisesión (Track 11) 09:00 - 15:00

GRUPO DE TRABAJO/PANEL: Este grupo da continuidad al trabajo iniciado en anteriores ediciones. En muchos países del mundo, incluidas Latinoamérica y Europa, se han realizado estudios que tenían como objetivo comprender los efectos de la estructura de gobernanza en la calidad de la democracia. Entre estos, hallamos los que analizan los efectos convergentes y divergentes de la división de poderes en el nivel local y la importancia de cada uno de los tres poderes en la construcción de una estructura de gobernanza justa, transparente, eficiente y sostenible. Varios trabajos se han realizado, pues, tomando como referencia los diversos conceptos de gobernanza; destacando aquellos que tratan experiencias de proyectos de infraestructuras y servicios, los cuales muestran carencias de conocimiento por parte de los actores territoriales y una frágil participación social. También son de interés para el grupo las experiencias de control social y de interacción entre actores de la sociedad, Estado y mercado que busquen la mejora del gasto público y la ampliación de la calidad de vida de los ciudadanos. Dichas experiencias, sin embargo, han generado un gran interés por parte de los investigadores de la comunidad académica, en particular, en lo relativo a los desafíos en la construcción de un modelo de gobernanza alineado con los propósitos de la democracia, en un paradigma caracterizado por el intento de equilibrio entre la eficiencia y la equidad en las acciones del sector público buscando el desarrollo humano y colectivo y no solo el crecimiento económico e individual. Entre las principales barreras identificadas se encuentra la baja implicación de los ciudadanos y la centralización del poder en manos del gobierno, con pocos espacios para el efectivo protagonismo social. De este modo, se confirma que, a pesar de las buenas intenciones de la política de gobernanza, la misma es frágil debido a aspectos de diseño institucional que limitan el proceso participativo, generando efectos nocivos o externalidades negativas en la implantación de algunas acciones públicas. Por tanto, este grupo temático promueve la presentación de trabajos dedicados a la investigación de barreras y condicionantes institucionales, políticos y gerenciales para el compromiso ciudadano, desde la perspectiva de la administración y gestión pública comparada, tomando como referencia estudios de caso de experiencias de uno y otro lado del Atlántico. Siendo bienvenidos trabajos fundamentados en teorías de la Administración Pública, de la Economía, de la Ciencia Política y del desarrollo territorial dirigidos a la comprensión del papel del ciudadano en el diseño y rediseño de las estructuras de gobernanza y en el estímulo del compromiso social. Se pretende contribuir con ello al avance de conocimiento en el área, partiendo de la comprensión del contexto de los espacios locales de actuación de los ciudadanos.

El distanciamiento entre el paradigma teórico de la democracia y la realidad social. El modelo de participación ciudadana en salud en Puertollano
00:01 - 23:59
En el año 2008 se implantó un nuevo modelo de participación ciudadana en salud en el área sanitaria de Puertollano (Ciudad Real, España); proyecto innovador, prestigioso y legitimado, cuya meta era el construir una sociedad más democrática y con los objetivos de: consolidar la democracia, limitar el poder de la Administración y comprometer a los ciudadanos para hacerlos más responsables y más partícipes. Este modelo funcionó durante los años 2008 a 2011, en el que los ciudadanos ocuparon un lugar preferente en la toma de decisiones. En el año 2011 un gobierno conservador surgido de las elecciones regionales lo fue desmantelando poco a poco hasta hacerlo desaparecer por completo, pasando así a una democracia de baja intensidad. Ante los pocos estudios empíricos existentes en el que se analicen experiencias concretas y permitan seguir avanzando en el paradigma teórico de la democracia deliberativa, es por lo que desde el ámbito académico decidimos realizar una evaluación post del modelo, con el fin de identificar las debilidades y amenazas del modelo participativo de Puertollano, que pudieron posibilitar el debilitamiento del modelo y su posterior desaparición. Para ello hemos llevado a cabo un análisis cualitativo, mediante entrevistas personales a los actores más implicados en el proceso de construcción, desarrollo e implantación del modelo participativo, seleccionando a los más relevantes, accesibles y comunicativos; ya que pensamos que los actores que se involucran en este tipo de experiencias asumen un papel fundamental tanto en la formulación e implementación como en la evaluación de las políticas públicas. Entre las conclusiones más destacadas resalta, fundamentalmente, la conflictividad de aplicar el modelo teórico de la democracia deliberativa a realidades sociales concretas.
A Participação na Formulação do Orçamento Participativo: Um estudo comparativo das Experiências de Fortaleza (Brasil) e Madrid (España)
09:00 - 09:15
A primeira experiência exitosa de Orçamento Participativo (OP), no Brasil, aconteceu em 1989, em Porto Alegre/RS, no governo de Olívio Dutra, do Partido dos Trabalhadores (PT) com o “jeito petista de governar”. Dados recentes apontam mais de três mil experiências de OP no mundo, estando presente em todos Continentes e sendo operacionalizados de formas distintas, considerando especificidades políticas, econômicas, sociais de cada Município. No Brasil, são mais de 250 casos e na Espanha ultrapassou 70 experiências. O município de Fortaleza/CE, localizado no Nordeste do Brasil, implementou na gestão de Luizianne Lins, do PT, em 2005, essa ferramenta de gestão com intuito de aproximar Estado e Sociedade Civil mas, também, como propositura de inversão de prioridades. O OP foi inserido no primeiro Plano Plurianual Participativo (PPA), instituído através da Lei 9.044/2005, na revisão da Lei Orgânica do Município (LOM), passou a figurar junto aos demais instrumentos de participação (iniciativa popular, plebiscito, referendo), como Princípios Fundamentais. Fortaleza foi dividida em Áreas de Participação e Segmentos Sociais (mulher, idoso, criança e adolescente, juventude, população negra, pessoas com deficiência, GLBT), para deliberar sobre o que era prioridade. Em Madrid, similarmente, esse mecanismo de deliberação popular, foi posto em prática a partir da vitória de Manuela Carmena, do Ahora Madrid, em 2015, numa coalizão dos partidos de esquerda: Podemos e PSOE, tendo como um dos seus objetivos, diminuir a apatia política dos madrileños. Nesta experiência, o Ayuntamiento de Madrid dividiu a participação em duas áreas: a primeira, como participação coletiva por território e associações e, a segunda, individual sobre governo aberto, transparência e especialmente da participação popular. Em 2016, foi aprovado através do Art. 27 a participação cidadã e as diretrizes do OP. Diferentemente de Fortaleza, Madrid realizou o OP com Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e presencialmente, sendo destinado 60 milhões de euros para 2016. Neste sentido, este trabalho tem como objetivos (i) Analisar os processos de formulação do OP nas gestões de Fortaleza e Madrid; (ii) Compreender como ocorreu a participação social nas respectivas experiências; (iii) Identificar similitudes e alteridades no OP de Fortaleza e Madrid. Esta investigação se justifica pela possibilidade de conhecer como uma política pública genuinamente brasileira pode influenciar governos europeus para sua adoção e, se essa política foi capaz de fortalecer a participação da sociedade civil e, o próprio governo, dando relevância e poder decisório à população. Foi realizada uma investigação qualitativa/quantitativa, com objetivo explicativo, cujos procedimentos técnicos ocorreram a partir de dados bibliográficos e documentais centrados nos temas OP, poder local, participação social. Realizou-se, levantamento documental nos sites oficiais das Prefeituras que retratam a formulação da política. Adicionalmente, foram realizadas entrevistas com atores institucionais e cidadãos envolvidos no processo. Os resultados encontrados identificam o OP como uma política que pode contribuir com a democracia participativa e aproximar Sociedade Civil e Estado. Apesar disto, os dados sinalizam escassez de conhecimento das duas gestões para implementar a política; dicotomia entre planejado e implementado; debilidade de informação para os cidadãos participarem a contento; vontade política maior que possibilidade orçamentária.
A permeabilidade dos Tribunais de Contas brasileiros à participação cidadã e ao controle social.
09:15 - 09:30
Aumentar a inserção dos cidadãos na esfera pública, para que eles possam participar das decisões do Estado e controlar as ações dos representantes públicos tem sido uma reivindicação da sociedade contemporânea. Para atingir este objetivo, seria necessário reduzir tanto as assimetrias de informação entre Estado e sociedade quanto a distância entre representantes e representados. Tendo em mente esse contexto, destaca-se a relevância dos Tribunais de Contas, por serem instituições autônomas e independentes, que podem se tornar importantes instrumentos para o aprimoramento do controle que a sociedade deve ou deveria exercer sobre seus representantes. Entretanto, estariam esses Tribunais preparados para tal protagonismos, vez que precisariam ser permeáveis à sociedade e, ao mesmo, tempo proporcionar mecanismos para auxiliar ou facilitar o exercício do controle social sobre a administração pública. Com base nessa premissa, este trabalho tem por objetivo analisar a permeabilidade dos Tribunais de Contas brasileiros à sociedade, bem como se esses tribunais atuam de forma a facilitar o exercício do controle social sobre a administração pública. A técnica de escalonamento multidimensional foi utilizada para a construção de mapas perceptuais em três dimensões, estimados a partir de informações coletadas dos 34 Tribunais de Contas existentes no Brasil. As evidências sugerem que os TCs ainda são pouco permeáveis à sociedade e possuem poucos mecanismos para auxiliar ou facilitar o controle cidadão. Constatou-se, ainda, limitação de meios para participação social, reduzindo-se, basicamente, à Ouvidoria, ao Portal da Transparência e ao Serviço de Atendimento ao Cidadão. Identificou-se, porém, a forte influência da LRF e da LAI sobre os TCs. Isso pode significar mudanças futuras, mesmo incrementais, na direção da atuação dos TCs como fortes aliados ao aprimoramento da accountability vertical.
Ação pública no processo de construção do plano diretor em Cidade da Amazônia Paraense
09:30 - 09:45
O artigo busca examinar o espaço de ação entre a gestão municipal e a sociedade civil, criado para discutir e elaborar o plano diretor municipal. De acordo com a Constituição Federal de 1988, o plano diretor constitui-se um instrumento básico da política urbana. O estudo enfoca o Grupo de Trabalho, instituído para sua elaboração,enquanto espaço sócio-político de discussão e formulação do plano no município de Baião, no Estado do Pará.O município apresenta um território caracterizado por áreas quilombolas, assentamentos e de reservas extrativistas. O estudo busca examinar como os diversos atores sociais foram envolvidos no processo de discussão para a elaboração do plano. Procura-se compreender a partir das características de espaços deliberativos se o mesmo configura-se como um espaço de ação pública, possibilitando a democracia deliberativa.Optou-se por analisar tal Grupo de Trabalho a partir da teoria da ação pública (SPINK, 2012). As discussões sobre ação pública começaram a ser travadas, a partir dos anos de 1990, na América Latina, e designa o movimento duplo do Estado para a sociedade civil e da sociedade civil para o Estado, sempre com ênfase nas instituições públicas no âmbito local. Para Spink (2012), a ação pública é a fusão da política pública com a ação social, revelando-se como atividades de cidadãos quando demonstram sua preocupação ativa com a vida coletiva em referência ao bem comum (SPINK, 2012).Para o exame do espaço criado, elaborou-se um quadro de características processuais de espaço deliberativo como critérios para a avaliação de processos decisórios participativos deliberativos na elaboração de políticas públicas. Buscou-se relacioná-lo com os critérios de avaliação da participação cidadã elaborado a partir de Tenório et al (2008); Gutmann, Thompson (2004); Anduiza, Maya (2005); Jorba et al (2009); Parés (2009), critérios desenvolvidos pelo Instituto de Governo e Políticas Públicas da Universidade Autônoma de Barcelona (IGOP). Trata-se de um estudo de caso de abordagem qualitativa, com dados obtidos através da observação participante e entrevistas com representantes da gestão municipal e moradores que participaram das audiências públicas. Defende-se que a interação entre a gestão municipal e a sociedade civil surge como um desafio no modelo de política participativa sociocêntrica coma convergência para uma relação top-dwn-botton-up, no processo de discussão e elaboração de um importante instrumento delineador das políticas públicas a nível local.
Ação Pública Territorializada: a construção de espaços de articulação e diálogo
09:45 - 10:00
Resumo: O objetivo geral desta pesquisa é investigar políticas públicas e projetos relacionados ao Desenvolvimento Territorial no Brasil, analisando as articulações entre Estado, setor privado e sociedade civil na direção de novas lógicas de desenvolvimento e participação democrática. Discute-se a reconfiguração do espaço público, e a capacidade destes processos em criar arranjos institucionais que resultem em ação pública e gestão compartilhada entre atores diversos. A metodologia, de vertente qualitativa incluiu revisão da literatura, análise documental e entrevistas semiestruturadas, como continuidade de estudos que vem sendo desenvolvidos após o doutorado e em grupos de pesquisa. Um dos resultados de pesquisa aponta para a análise de como dialogam ações coletivas institucionalizadas, como as originadas de arranjos institucionais e políticas públicas, e as ações coletivas emergentes, originadas de arenas públicas em construção pelos diversos atores. Estas possíveis oposições podem revelar espaços de inovação e aprendizagem social e remetem à necessidade de se compreender os conflitos de forma a contribuir para avanços na participação política.
+ 18 more abstracts (presentations). View All
Presentations submitted by speakers
Download Presentation Submitted by Carmen Pineda Nebot
Download Presentation Submitted by Carlos Iván Molina-Bulla
Download Presentation Submitted by Marco Teixeira
Download Presentation Submitted by Wellington Tavares
Download Presentation Submitted by Jose Maria Gerardo Carmona Rocha
Download Presentation Submitted by Helton DePaula
Download Presentation Submitted by Jones Barros
Download Presentation Submitted by Mário Vasconcellos Sobrinho
Download Presentation Submitted by Francisco Fonseca
Download Presentation Submitted by Zilma Borges De Souza
Download Presentation Submitted by Danel Alberdi
Download Presentation Submitted by Rafael Laredo Mendonca
Download Presentation Submitted by Diones Gomes Da Rocha
Download Presentation Submitted by Cristiane Kerches Da Silva Leite
Download Presentation Submitted by Josevana Lucena Rodrigues

Conferencistas
Universidad de Sevilla
Profesora de Sociología
Universidad de Castilla La Mancha UCLM
Profesor de Sociología
Fundação Getulio Vargas FGV
Professor
+ 28 more speakers. View All
Moderadores
GEGOP/CLACSO
Investigadora
Universidade Federal de Viçosa UFV
Professor Associado
Universidade da Amazônia/Universidade Federal do Pará
Professor
Universidade Federal Rural da Amazônia UFRA
Docente

Discussions


Dr. César Nicandro Cruz-Rubio Hola Emmanuel hemos visto tu mensaje Por favor, remite cuanto antes tu ponencia, sin duda se trata de un error de carga, pues a nosotros no nos ha quedado registrado que hayas enviado tu ponencia, Actualizaré la web, pero ya no podemos cambiar el programa impreso Le pongo en copia al coordinador GT para que lo tome en cuenta. De verdad lo lamentamos Gracias y un abrazo
20 Sep 2017 09:17:44
Emmanuel Gómez Farías Mata Buen día, soy conferencista en este GT y no aparece mi status como tal y tampoco mi ponencia que ya fue enviada. Saludos
19 Sep 2017 11:08:22