Add to my Schedule
Take a Survey URJC Vicálvaro - Edif. Departamental - (Aula D) 259 Grupo de Trabajo Multisesión (Track 1)
25 Sep 2018 09:00 AM - 12:00 Noon (UTC)
20180925T0900 20180925T1200 UTC GT.ADM02 Gobernanza para el desarrollo humano sostenible: Modelos de gestión Norte-Sur en contraste

GRUPO DE TRABAJO/PANEL: Los Objetivos del Desarrollo Sostenible (ODS) presuponen una tipo de actuación en todos los niveles de gobierno, desde el macro (global), el meso (regional) y el local (municipal). El Desarrollo Sostenible solo se puede afrontar por medio de compromisos globales (Cumbres de Rio, Johannesburg) organismos internacionales (Conferencia de las Naciones Unidades sobre Desarrollo Sostenible (CNUDS), Cumbre de la Tierra 2012, ECOFIN, Asamblea General de las Naciones Unidas, ECOSOL) y medidas concretas en el plano nacional y local (Objetivos de Desarrollo Sostenible (ODS). La interrelación entre los problemas, y la gestión de las soluciones implica necesariamente la participación de todos los niveles de gobierno (gobernanza multinivel) direccionados al Desarrollo Sostenible (DS). La gobernanza de estos niveles es imprescindible para el éxito de estas propuestas, Diversas son las propuestas de conducción gestión en esta dirección: “Good governance”, “multi-level governance”, “gobernanza dialógica”, “gobernanza sistémica procesual”. Sin embargo, aparecen tensiones en cuanto a su amplitud, gestión, implementación y operatividad tanto en las sociedades del Norte como en las del Sur. Así aparecen diversas cuestiones relacionadas: 1) Como tiene lugar la interconexión con diferentes niveles de gobierno (regionales y federales) para lograr el Desarrollo Sostenible (DS), y cuales son los problemas y dificultades principales que aparecen? 2) Que modelos y práticas de gobernanza administrativa y de gestão se aplicam nas políticas públicas municipais? 3) Que tipo de gobernanza administrativa se aplica en los gobiernos municipales para alcanzar el DS? El GT que proponemos es la continuación de los que se han realizado en los últi ...

URJC Vicálvaro - Edif. Departamental - (Aula D) 259 GIGAPP2018. IX Congreso Internacional en Gobierno, Administración y Políticas Públicas congreso2018@gigapp.org

GRUPO DE TRABAJO/PANEL: Los Objetivos del Desarrollo Sostenible (ODS) presuponen una tipo de actuación en todos los niveles de gobierno, desde el macro (global), el meso (regional) y el local (municipal). El Desarrollo Sostenible solo se puede afrontar por medio de compromisos globales (Cumbres de Rio, Johannesburg) organismos internacionales (Conferencia de las Naciones Unidades sobre Desarrollo Sostenible (CNUDS), Cumbre de la Tierra 2012, ECOFIN, Asamblea General de las Naciones Unidas, ECOSOL) y medidas concretas en el plano nacional y local (Objetivos de Desarrollo Sostenible (ODS). La interrelación entre los problemas, y la gestión de las soluciones implica necesariamente la participación de todos los niveles de gobierno (gobernanza multinivel) direccionados al Desarrollo Sostenible (DS). La gobernanza de estos niveles es imprescindible para el éxito de estas propuestas, Diversas son las propuestas de conducción gestión en esta dirección: “Good governance”, “multi-level governance”, “gobernanza dialógica”, “gobernanza sistémica procesual”. Sin embargo, aparecen tensiones en cuanto a su amplitud, gestión, implementación y operatividad tanto en las sociedades del Norte como en las del Sur. Así aparecen diversas cuestiones relacionadas: 1) Como tiene lugar la interconexión con diferentes niveles de gobierno (regionales y federales) para lograr el Desarrollo Sostenible (DS), y cuales son los problemas y dificultades principales que aparecen? 2) Que modelos y práticas de gobernanza administrativa y de gestão se aplicam nas políticas públicas municipais? 3) Que tipo de gobernanza administrativa se aplica en los gobiernos municipales para alcanzar el DS? El GT que proponemos es la continuación de los que se han realizado en los últimos en los congresos de GIGAPP 2015 y 2017 en los que se analizaron y debatieron propuestas y modelos conceptuales de gobernanza procedente del Norte y del Sur. La propuesta actual expone los trabajos que vienen siendo realizados por el grupo de investigación: “GOVERNANÇA, ORGANIZAÇÕES, POLÍTICAS PÚBLICAS E CONTABILIDADE NA AMAZÔNIA (GOPPCA)” creado en el año 2010 y ubicado en al Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA) en la Universidade Federal do Pará (UFPA) en el cual se analiza la gobernanza en la región de la Amazonia brasileña, y realizado diversos proyectos de investigación y Tesis doctorales, y el grupo de investigación “Nuevos modelos de gobernanza en la sociedad de la información” (Universitat Oberta de Catalunya).

Gobernanza municipal y desarrollo sostenible. ¿Por qué es tan difícil la efectividad?

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
Presented by : Josep Pont (UFPA)
El desarrollo sostenible se utiliza por una omisión común que hace referencia a los problemas persistentes en sociedades. Presentemos ofrecer tan solo una introducción a la complejidad teórica y conceptual desde la perspectiva sistémica. Para ello partimos de la hipótesis de la necesidad de abordar este tipo de gobernanza en una perspectiva que contemple las dinámicas y comunicaciones en un plano de análisis de las conexiones en el trípode entre el Estado, la ciudadanía (Público) y la Administración pública (Política). Ilustramos esta problemática con los resultados de una observación de la construcción del mega-proyecto hidrológico de la Central Hidroeléctrica de Belo Monte (CHB) situada en la Amazonia oriental brasileña.
Oportunidades y retos de las gestión en las vías verdes

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
Las vías verdes son caminos para un uso a pie o en bicicleta recuperando andtiguas infraestructuras abandonadas. Discurren a través de distintos municipios, por lo que es necesaria la implicación local pero al mismo tiempo la relación entre municipios y con otras escalas de gobierno, dando lugar a políticas multinivel. También es necesaria la transversalidad, porque tienen relación con diferentes "departamentos" de la administración como el desarrollo rural, el turismo, la movilidad, el deporte o la salud. En la gestión de las vías verdes seran aspectos clave la relación entre los diferentes niveles de gobierno, la participación del ámbito local en el diseño de la vía, la conexión de las vías verdes con otras infraestructuras de movilidad. Todo ello tiene más que ver con aunar esfuerzos que de implementar una política desde una sola organización.
A Matriz de Acompanhamento e Avaliação – A&A para o sistema de gestão ambiental municipal: um estudo de caso no Município de Nova Esperança do Piriá – PA

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
As pressões ambientais sobre os municípios da Amazônia são cada vez mais crescentes, uma vez que, essa região do Brasil sofre constantemente grandes danos relacionados a dilapidação de seus recursos naturais. Nos últimos anos, a preocupação com questões ambientais tomou proporções cada vez maiores, em razão do visível desequilíbrio existente na relação homem/natureza que gera impactos diretos na sociedade. Diante dessa situação, surge a necessidade de se pensar ações com o intuito de conciliar desenvolvimento e sustentabilidade. Diante dessa situação, estudo buscou a elaboração de um diagnóstico que apresentasse a situação da gestão ambiental no município de Nova Esperança do Piriá, localizado na região Nordeste do Estado do Pará, na Amazônia Brasileira. A gestão ambiental no município é um fator determinante na busca de alternativas sustentáveis para a dinamização da economia, visto que, uma das principais atividades de geração de renda nesta região gira em torno de uma atividade ilegal - a extração madeireira em Terra Indígena. A partir da elaboração de um diagnóstico da gestão ambiental construído com base na proposta metodológica da GTZ, Agência Alemã de Cooperação Técnica, por meio da Matriz de Acompanhamento e Avaliação para o Sistema de Gestão Ambiental – A&A para o Sistema de Gestão Ambiental Municipal. A referida estrutura foi utilizada para auxiliar no Projeto de Gestão Ambiental Integrada – PGAI, desenvolvido pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente – SEMA e Coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente com o apoio administrativo do Banco Mundial, criado para operacionalizar o Subprograma de Política de Política de Recursos Naturais – SPRN. Trata-se de um estudo documental de caráter exploratório, com o levantamento dos instrumentos legais emanados pelo município relacionados a gestão ambiental e a aplicação de entrevista aos principais gestores ambientais da cidade, verificou-se que a gestão ambiental no referido município encontra-se em estágio regular, porém, após análise mais aprofundada das variáveis, constatou-se que os pontos positivos são incipientes para garantir uma gestão ambiental satisfatória, capaz de dar suporte às atividades econômicas pensadas para o município.
Gestão de floresta pública: uma análise do fundo estadual de desenvolvimento florestal do Estado do Pará

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
Este trabalho aborda a questão da gestão das florestas pública instituída por meio da Lei federal n° 11.284/2006, a qual regula a exploração florestal para uso sustentável no Brasil, a lei implantou três formas de gestão, entre elas a de concessão florestal que permite a pessoa jurídica por meio de licitação de concorrência pública, explorar mediante pagamento produtos e serviços florestais de forma sustentável. No estado do Pará, a entidade responsável pela gestão dos recursos da concessão florestal é o Fundo Estadual de Desenvolvimento Florestal-FUNDEFLOR instituído pela lei estadual n° 6.963/2006, o fundo é gerido pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade- IDELOR-BIO. Nesse contexto, o objetivo principal deste estudo é analisar a aplicação dos recursos do FUNDEFLOR nos anos de 2015 a 2017 e como objetivos específicos: identificar quais as fontes de receitas utilizadas para compor os recursos aplicados pelo FUNDEFLOR nos anos de 2015 a 2017; analisar se nos relatórios de gestão dos anos de 2015 a 2017 é possível identificar a origem e destinação dos recursos do fundo conforme prevê a lei nº 12.527/2011 de acesso à informação e verificar se as transferências dos recursos seguem o percentual de distribuição conforme as exigências da lei estadual nº 8.096 /2015 que rege o fundo. No plano metodológico, trata-se de uma pesquisa documental, exploratória e descritiva, foram feitos dois tipos de abordagem, a qualitativa e quantitativa, por meio da análise dos documentos produzidos pela instituição pública, buscou-se identificar onde os recursos foram alocados e se a distribuição corresponde ao que determina a lei que estabelece a distribuição dos recursos da concessão em 30% para os municípios localizados nas áreas de exploração, 30% para o IDEFLOR-BIO e os 40% restante aplicar em suas linhas de fomento. Como resultado, identificamos o que se propôs a presente pesquisa, as fontes de receitas que o FUNDEFLOR utilizou nos anos de 2015 a 2016 bem como sua aplicação. Nos anos supracitados o fundo fez uso de três fontes de receitas, sendo: concessão florestal, tarifa de reposição florestal e rendimento de aplicação financeira em CDB. Ficou evidente que a sua maior fonte de receita é originada da concessão florestal em 2015 que representou 73,73%, em 2016 e 71,91% e em 2017 de 76%, do valor total disponível, também verificou-se que a distribuição e aplicação dos recursos nos anos 2015, 2016 e 2017 obedecem ao que determina a lei estadual n° 6.963/2006, ressaltando que durante o período analisado, constatou-se que o recurso disponível para fins finalísticos não foi executado em sua totalidade, conforme o planejado.
Orçamento público: um estudo de caso sobre o planejamento e a execução orçamentária do programa Participação e Transparência de São Luís nos exercícios de 2014, 2015 e 2016.

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
O ciclo orçamentário é um processo dinâmico e contínuo, com várias etapas articuladas entre si, por meio das quais sucessivos orçamentos são discutidos, elaborados, aprovados, executados, avaliados e julgados. Esse ciclo tem início com a elaboração do Plano Plurianual (PPA) e se encerra com o julgamento da última prestação de contas do Poder Executivo pelo Poder Legislativo. O objetivo deste trabalho é identificar os resultados obtidos com a realização de um programa do orçamento da cidade de São Luís/MA, a partir da comparação entre o planejado no plano plurianual 2014 - 2017 e as modificações realizadas nas leis orçamentárias anuais e nas execuções orçamentárias referentes aos exercícios de 2014, 2015 e 2016. Para a escolha do programa foram definidos dois critérios: identificação da área de atuação que teve a maior variação entre os custos estimados no PPA e os valores executados e, dentre os programas da área de atuação escolhida, seleção daquele que teve a maior execução orçamentária. A partir da aplicação destes critérios, foi definido o programa Participação e Transparência como objeto de estudo. Para a avaliação dos seus resultados foram utilizados os dados divulgados pelo índice Escala Brasil Transparente – EBT, que avalia a transparência dos municípios e estados brasileiros. Destaca-se que a utilização do EBT ocorreu devido aos indicadores de desempenho definidos no PPA pouco contribuírem para a avaliação do programa e pela sua relevância em âmbito nacional. Com os resultados do trabalho foi possível observar que existiu uma relação direta entre a e a execução orçamentária do programa e a melhoria na gestão da transparência do município, atendendo assim ao objetivo proposto com a sua implantação. No entanto foi observado que os gastos realizados para efetivação do programa não apresentam compatibilidade com o planejamento realizado, o que revela que são necessárias melhorias nessa etapa, principalmente na definição das ações, dos custos e dos indicadores de desempenho do programa.
Transparência na gestão pública municipal: um estudo a partir dos portais de transparência dos municípios mais populosos da Amazônia Legal

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
A transparência no setor público no Brasil vem ganhando destaque e sendo discutida nos últimos anos, tornando-se uma ação fundamental no exercício da função pública. No ano de 2000 o governo brasileiro instituiu a Lei de Responsabilidade Fiscal que apresentou o princípio da transparência como indispensável para uma gestão fiscal responsável. Nos anos posteriores, surgiram outras exigências legais, com destaque para a Lei da Transparência (2009) e a Lei de Acesso a Informação (2011) que obrigou os municípios a divulgarem em sítios oficiais da internet informações de interesse coletivo ou geral por elas produzidas ou custodiadas. A presente pesquisa tem o objetivo de verificar o nível de transparência acerca da gestão pública municipal nos portais de transparência dos municípios da Amazônia Legal com mais de 100 mil habitantes de acordo com o censo demográfico de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. O embasamento teórico está centrado na administração pública, na governança pública, na transparência pública, no princípio da transparência e publicidade e em estudos anteriores sobre o tema. Quanto ao enquadramento metodológico, a pesquisa é exploratória, descritiva e documental. Os principais documentos analisados serão: lei do Plano Plurianual (PPA); Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO); Lei Orçamentária Anual (LOA) e dados contábeis de programação e execução de receitas e despesas públicas. Serão analisados os Portais de Transparência de 31 municípios que correspondem a aproximadamente 40% da população dos nove Estados que compõe a Amazônia Legal. Os critérios utilizados para análise de conteúdo dos documentos disponibilizados via web serão delimitados com base no modelo desenvolvido pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos – INESC que apresenta quesitos abrangendo as dimensões: elaboração do orçamento; acesso a legislação orçamentária; conteúdo da legislação orçamentária; execução orçamentária; execução orçamentária do legislativo; e avaliação. Todos os itens serão considerados com o mesmo peso, sem ponderações e para cada item será utilizado a metodologia de disclosure, sendo atribuída a seguinte pontuação: 1 (um) para a informação disponível, completa e tempestiva; 0,5 (zero vírgula cinco) para a informação incompleta, defasada ou desatualizada e 0 (zero) para a informação não disponível. A análise dos dados tem a pretensão de mostrar como estão os níveis de transparência fazendo uma relação com o nível de desenvolvimento socioeconômico dos municípios pesquisados.
Verticalização da Pesca e Aquicultura na Amazônia: Análise Crítica da Cadeia Produtiva

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
Um dos alimentos mais saudáveis e procurados pelos consumidores é o pescado. No Brasil, o estado do Pará possui características geográficas que o privilegiam nos cenários nacional e internacional. Todavia, o potencial não é explorado de forma a contemplar as diversas possibilidades produtivas que estão postas, tanto pela variedade e quantidade, quanto pelas tecnologias disponíveis. Assim, o potencial exportador paraense poderia ser melhor aproveitado pelas organizações públicas e privadas. Entretanto, a inexistência de planejamento consistente envolvendo unidades produtivas de aquicultura e de agricultura familiar com entes públicos reduz as chances de conversão destas possibilidades em realidade. Este estudo mostra falhas conceituais e operacionais do Programa Estratégico 'Pará 2030’, colocado para a sociedade pelo poder público estadual como mapa e bússola para desenvolvimento de longo prazo. Aquicultura é a criação, recriação e colheita de peixes, mariscos e plantas aquáticas, sendo uma importante questão de economia básica (USDA, 2018). A produção de pescado no Brasil vem crescendo e ganhando posições no ranking internacional estabelecido pela FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). Em 1996, o Brasil ocupava o 28º lugar no ranking mundial, em 2016 passou para a 14º posição, com produção aquícola de 562,5 mil toneladas (FAO, 2016). As perspectivas são boas para o setor, com projeções do relatório FAO de 2016, estimando que o país deva registrar crescimento de 104% na pesca e aqüicultura até 2025. Sendo o setor que mais contribuirá para esse crescimento será o aquícola. O Estado Brasileiro, desarticulado e partidarizado, não promove a interconexão de suas ações. Cada ente público traça seu planejamento em desacordo com o todo, sem que haja a união e concentração de esforços. O Pará, com sua continentalidade territorial, sofre em demasia com esta desarticulação funcional. Assim, potencialidades latentes se esvaem, abrindo caminho para bolsões de pobreza, resultando nos piores índices sociais do Brasil. Esta desarticulação ocorre em todos o níveis. Não somente as ações do Governo Federal são desencontradas, como a esfera estadual não se alinha e os municípios refutam seu papel de articuladores com as sociedades locais. O Programa apresenta problemas estruturais, como: falta de articulação entre os entes públicos estaduais; as promíscuas relações entre o poder público e iniciativa privada; pouca transparência nas informações referentes à avaliação e monitoramento do programa, observado até 30/04/2018, quando esta pesquisa foi concluída; ausência de divulgação de resultados, priorizando-se o uso do sitio eletrônico público, que passa a ter caráter de mídia de destinada a fins eleitoreiros; não há referência de como as ações serão operacionalizadas. Estas questões estruturantes inviabilizaram a identificação dos resultados supostamente poderiam ter sido alcançados durante os dois anos do Programa. Aquicultura e verticalização do pescado só ocorrerão de forma substancialmente importante para a economia paraense quando todas as organizações necessárias a este desenvolvimento atuarem de forma una, por meio da interconexão de esforços, da interdependência de ações e coexistência pautada pela ciência e técnica, não pela partidarização que dilui investimentos, reduzindo a eficácia e a esperança da população.
Plan Estratégico “Panamá 2030” y el abordaje con miras al cumplimiento de la Agenda 2030

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
En julio del 2017, la directora representante de la CAF, Susana Pinilla, dijo que “Panamá tiene el potencial de dar el salto hacia el desarrollo sostenible y convertirse en el primer país de primer mundo de la región”; esto en el contexto de la presentación del "Reporte de Economía y Desarrollo (RED) 2016, más habilidades para el trabajo y la vida". Al tiempo que esto ocurría, el Consejo de la Concertación Nacional afinaba los últimos detalles para la entrega al Gobierno del documento final contentivo del Plan Estratégico Nacional “Panamá 2030” (PEN 2030), producto solicitado expresamente por el Presidente de la República en enero de 2016, luego de que el país adoptara formalmente los ODS como “pautas para los esfuerzos de desarrollo nacional”. A la postre, el PEN 2030 fue entregado formalmente al Gobierno Nacional en agosto de 2017 y lanzado públicamente en septiembre. Ambos momentos colocan a Panamá en una coyuntura relevante de frente a la región latinoamericana, el primero, porque reitera lo que hace años se viene diciendo, y es que la nación parece estar a las puertas del primer mundo gracias a su crecimiento económico estable, su posición geográfica y sus potencialidades y recursos; pero algo le impide o le frena en sus esfuerzos de hacerse del título de “desarrollada”. El otro, porque – tal cual lo ha ratificado el propio sistema de Naciones Unidas – el país es el primero en la región que elabora una Plan Estratégico netamente orientado al logro de los ODS, ubicándose en una posición de beligerancia que se transformará, ineludiblemente, en exigencia ante la sociedad panameña y toda América Latina. El PEN 2030 es el resultado de un proceso de análisis, revisión, alineamiento, priorización y estructuración de los objetivos y metas del desarrollo nacional, de frente al reto que representa la Agenda 2030 y los ODS, con miras a establecer una hoja de ruta de atributos estratégicos, que garantice la consecución de los ODS al año 2030, aterrizando en cada uno de los niveles de la gestión pública, propiciando el abordaje de los temas relevantes para el país, a través de formulación y reformulación de las políticas públicas y reconociendo la necesidad de impulsar, a corto plazo, políticas sobre tópicos transversales como la descentralización y la planificación, tal vez las dos fibras retenedoras que, aparte de la débil institucionalidad, impiden que se derroten las problemáticas sociales y así saltar al primer mundo. En este trabajo ahondaremos cómo este nuevo planteamiento estratégico de cara a la Agenda 2030, pretende impulsar políticas públicas, posibilitando de manera gradual y ascendente políticas de desarrollo sostenible que den respuesta a las disparidades sociales y económicas en servicios, intervenciones y programas/proyectos eficientes, sostenibles y de calidad; disparidades tan marcadas entre los territorios y la ciudad de Panamá y la franja canalera; contrastes territoriales que inciden en que Panamá, con todo y su crecimiento económico estable de los últimos 10 años, sea el sexto país más desigual del mundo.
Planejamento e Governança Pública: processo de elaboração do PPA 2016-2019 no estado do Pará

00:00 Midnight - 00:00 Midnight2018/09/25 00:00:00 UTC - 2018/09/25 00:00:00 UTC
A pesquisa tem como objetivo geral descrever o processo de elaboração do PPA 2016-2019 do estado do Pará, formulado a partir de uma metodologia orientada por quatro dimensões estratégicas: gestão territorial e governança; desenvolvimento sustentável; inclusão social; e infraestrutura social. E apresenta como objetivos específicos: i) analisar o processo de “escuta social” para formulação do Plano, realizado por meio de reuniões e fóruns antecipatórios das audiências públicas, com participação dos diversos atores sociais; e ii) analisar o conteúdo do Plano,através dos programas, indicadores, objetivos, metas e ações que o integram, considerando a abordagem regional adotada em seu processo de formulação. A análise apoia-se na abordagem sistêmica, observando o Sistema Político com foco no Subsistema Político-Administrativo, considerando como operações desse subsistema as fases que compreendem o Policy Cycle: definição do problema e formação da agenda; formulação de políticas e tomada de decisão; implementação e monitoramento; avaliação e revisão, com vistas às correções e ajustes necessários à reorganização do sistema; e como parâmetros as normas constitucionais e as demais legislações necessárias e imprescindíveis ao funcionamento e (re)organização do Subsistema Político-Administrativo. Desse modo, o artigo investiga a metodologia adotada para a elaboração do PPA 2016-2019 a partir de seu processo de governança pública, bem como os resultados alcançados nesse momento com a formulação das agendas regionais, compostas por seus respectivos programas que integram o Plano. Para tanto, utiliza como procedimentos metodológicos a análise documental das atas e outros registros das audiências públicas, reuniões, fóruns e oficinas de trabalho, bem como documentos de referência, perfis regionais e Manual para elaboração do PPA 2016-2019. Dentre os principais resultados, destaca-se que embora a metodologia adotada tenha propiciado avanços à participação social e à compreensão das especificidades regionais de um estado brasileiro tão diverso como o Pará, o Plano não refletiu, na fase final da elaboração de programas, a integralidade da metodologia utilizada no seu processo de formulação, que pretendia a criação de agendas regionais apoiadas em projetos estruturantes e ações estratégicas.
Consejo de la Concertación Nacional para el Desarrollo
Coordinador de Planes y Programas
NAEA UFPA / UFMA
ESTUDANTE / DOCENTE
UFPA
profesor
Núcleo de Altos Estudos Amazônicos / Universidade Federal do Pará
Professora
NAEA / UFPA
Professora/Docente
+ 2 more speakers. View All
Dr. Agustí Cerrillo I Martínez
Universitat Oberta de Catalunya
Catedrático de Derecho administrativo
 Josep Pont
UFPA
profesor
Download Presentation Submitted by Leila Marcia Elias
Download Presentation Submitted by Krishina Ribeiro
Download Presentation Submitted by Leila Marcia Elias
Download Presentation Submitted by Leila Marcia Elias
Download Presentation Submitted by Francisco Gilvan Lima Moreira
Download Presentation Submitted by Fernanda Paixão Dos Santos
Diego Hernando Flórez MartínezLamentablemente por motivos ajenos a nuestra voluntad (huelga de pilotos en la aerolínea en que la corporación que representamos gestiona los pasajes aéreos), no podremos participar de manera presencial en el grupo de trabajo pero nos gustaría participar a través de las TIC y presentar nuestro trabajo.
0
Diego Hernando Flórez MartínezMuy buenos días para todos
0